Espetáculos

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Quem somos

O coletivo se constrói de maneira espontânea e natural, um grupo de amigos que já trabalhava com teatro, começa a se interessar por circo. Final dos anos 90, com alguma prática empírica, segue para a Escola Nacional de Circo no Rio de Janeiro buscando aprimorar seus conhecimentos. Em 2003 o Circo do Mato (à época Circo Atro Mínimo) em parceria com o Grupo Ubu (então República Cênica) montam a Casa Teatro Circo em Campo Grande, onde a partir do início de 2004 promove temporadas de espetáculos, oficinas, cabarés temáticos, montagem de novos trabalhos e realização de projetos próprios.

No final de 2006 a Casa Teatro Circo instala-se em nova sede, pouco tempo depois o Ubu segue para fora do Estado. Janeiro de 2008 acontece a mudança do nome do grupo para Circo do Mato, remetendo ao fazer artístico no Mato Grosso do Sul e também à forma como eram mencionados na Escola Nacional de Circo, o “pessoal do Mato”, “do Mato Grosso” e coisas assim.

Circo e teatro são os focos principais de sua pesquisa buscando deixar a junção dos dois fazeres o mais orgânica possível, busca trabalhar com o lúdico em seus espetáculos sem deixar de fazer criticas sociais independente de espetáculos para adultos ou infância.

O grupo normalmente trabalha com diretores convidados e mantém uma sede equipada para treinamentos circenses e usada para pesquisa, ensaios, treinos, reuniões, oficinas, exposições, apresentações de espetáculos e produção de projetos; recebe outros grupos e artistas, incluindo trabalhos fotográficos. Trabalha com diretores convidados e além de um elenco fixo, agrega outros artistas parceiros em eventuais trabalhos, incluindo intervenções artísticas em eventos de natureza diversa.

Passa a ser Ponto de Cultura em 2010. Promove a Pantalhaços - Mostra de palhaços do Pantanal em parceria com o grupo Flor e Espinho Teatro, com cinco edições realizadas.

Através de seus projetos, busca circular por Distritos e pequenos municípios; procurando contemplar um público que tem pouco acesso para experenciar espetáculos cênicos. Além de apresentações no Brasil e no MS, participou de festivais no Peru, Bolívia, Paraguai, Equador, Argentina e Colômbia.

Com essas e outras ações culturais, atende a sociedade, levando arte, cultura e, também, entretenimento, além de oportunizar a formação artística, a formação de plateia, o senso crítico e outros valores. Um grupo que carrega um grande potencial para romper sempre as fronteiras do estado e do país, intercambiando outras culturas e experimentos. 

https://www.facebook.com/CircodoMato/